CANAIS DIRETO DE ATENDIMENTO

1 Envie seu e-mail pelo formulário de contato. Clique aqui!
2 Atendimento por telefone.
(83) 33223222

Antes de entrar em contato recolha todos os dados necessários da sua dúvida. Agradecemos seu contato!

HORÁRIOS DE ATENDIMENTO

Seg. a Sex. de 08h às 12h e 13h às 17h.
Sábados, Domingos e Feriados toda solicitação deverá ser enviada pelo e-mail contato@conepetro.com.br.

EFETUOU CADASTRO E ESQUECEU SUAS CREDENCIAIS?

A produção de petróleo da Petrobras em agosto subiu para cerca de 2,1 milhões de barris por dia, sétimo mês consecutivo de alta, disse nesta quarta-feira (3) a presidente da companhia, Maria das Graças Foster, em evento do setor no Rio de Janeiro. Em julho, a produção de petróleo da empresa no Brasil foi de 2,049 milhões de barris por dia, alta de 2% sobre junho e avanço de 8,6% contra um ano antes. "Nós, na Petrobras, estamos entusiasmados com o presente e completamente crédulos com o futuro próximo", disse Graça Foster. "Nossa produção sobe pelo sétimo mês. Os números de agosto ainda não fecharam, mas beiram 2,1 milhões de [barris de] óleo ao dia."A Petrobras conectou 17 novos poços marítimos no segundo trimestre e planeja conectar mais 33 entre julho e dezembro. No início de agosto, e Petrobras já tinha informado que sua produção de petróleo no Brasil estava na faixa de 2,1 milhões de barris por dia nos primeiros dias do mês, um patamar que não era visto desde o início de 2012. A companhia mantém a previsão de elevar a extração nacional em 7,5% em 2014, com margem de tolerância na estimativa de 1 ponto percentual para cima ou para baixo. "A gente trabalha firme para atingir a meta de 7,5", disse a jornalistas o diretor de Exploração e Produção da estatal, José Formigli, no mesmo evento. Fonte: http://g1.globo.com/economia/noticia/2014/09/producao-de-petroleo-da-petrobras-sobe-em-agosto-diz-graca-foster.html

A Agência Nacional do Petróleo (ANP) informou nesta terça-feira (2) que a produção total de petróleo e gás natural no Brasil no mês de julho atingiu 2,82 milhões de barris de óleo equivalente (BOE) por dia, sendo 2,267 milhões de barris diários de petróleo, e 87,9 milhões de metros cúbicos de gás natural. Segundo a ANP, o volume é o maior já registrado, superando o do mês anterior, quando a produção de petróleo e gás natural totalizou 2,79 milhões de barris de óleo equivalente por dia. Ainda de acordo com o Boletim da Produção da ANP, o resultado foi puxado pela produção de petróleo, que também superou a marca alcançada no mês anterior, de 2,246 milhões de barris por dia. Em relação a junho de 2014, o aumento na produção de petróleo foi de 1%. Já em comparação com julho de 2013, houve alta de 14,8%. Já a produção de gás natural em julho de 2014 superou em 1,5% a do mês anterior, de 86,6 milhões de metros cúbicos por dia, e em 12% a de julho de 2013. Em torno de 90,7% da produção de petróleo e gás natural foram provenientes de campos operados pela Petrobras. Aproximadamente 92,5% da produção de petróleo e 73,5% da produção de gás natural do Brasil foram extraídos de campos marítimos. Assim como ocorreu em junho, o campo de Roncador, na bacia de Campos, foi o de maior produção de petróleo, com média de 273,1 mil barris por dia. O maior produtor de gás natural foi o campo de Mexilhão, na bacia de Santos, com média diária de 6,8 milhões de metros cúbicos. Segundo os dados da ANP, a produção no pré-sal diminuiu 0,1% em julho em relação ao mês anterior, totalizando 582,8 mil barris de óleo equivalente por dia, sendo 480,8 mil barris diários de petróleo e 16,2 milhões de metros cúbicos de gás natural por dia. A produção teve origem em 34 poços, localizados nos campos de Baleia Azul, Baleia Franca, Jubarte, Barracuda, Caratinga, Búzios, Linguado, Lula, Marlim Leste, Pampo, Sapinhoá, Trilha e nas áreas de Iara e Entorno de Iara. Fonte: http://g1.globo.com/economia/noticia/2014/09/producao-de-petroleo-e-gas-natural-bate-recorde-diz-anp.html

Os contratos de petróleo operam em queda nesta segunda-feira, 08, com o brent abaixo de US$ 100 por barril pela primeira vez em 15 meses, diante das contínuas incertezas sobre o crescimento da economia global e sobre o desenrolar das tensões geopolíticas. Os dados fracos sobre o mercado de trabalho dos Estados Unidos divulgados na sexta-feira apagaram o avanço feitos pelos preços do petróleo no início da semana passada. A baixa criação de empregos no país aponta para uma recuperação econômica mais lenta e, assim, uma demanda menor por petróleo adiante. As perspectivas para o crescimento da Europa e da China, outros grandes mercados para o petróleo, também são ruins, como observou Andrey Kryuchenkov, analista do VTB Capital. Além disso, o cessar-fogo anunciado na sexta-feira, 05, entre o governo da Ucrânia e separatistas é mais um fator de pressão sobre os preços do petróleo. No entanto, ainda há muita incerteza sobre como a crise da Ucrânia, o referendo de separação da Escócia e a turbulência no Oriente Médio podem afetar os preços da commodity. "Todos esses eventos têm implicações diretas para a demanda por petróleo, a oferta de petróleo e os preços do petróleo e implicações indiretas por meio do sentimento pelo risco e dos movimentos das moedas. Nós apenas ainda não sabemos quais são essas implicações", disse David Hufton, da PVM. Às 7h21 (de Brasília), o brent para outubro caía 0,93% na ICE, para US$ 99,88 por barril, enquanto o contrato para outubro negociado na Nymex recuava 0,83%, para US$ 92,52 por barril. Fonte: Dow Jones Newswires. Fonte: https://br.noticias.yahoo.com/economia-global-preocupa-derruba-petr%C3%B3leo-102600642--finance.html

Nos dias 3 e 4 de setembro, o evento Produtividade em Ação 2014, realizado no Hotel Windsor Atlântica, no Rio de Janeiro, promoveu o encontro da indústria de óleo e gás brasileira com os principais executivos da engenharia americana para trocar experiências em busca de aumentar a produtividade no país, atualmente em níveis muito abaixo dos índices de países desenvolvidos. A presidente do Centro de Excelência em EPC (CE-EPC), Renata Baruzzi, que fez a abertura do evento, ressaltou a importância de um planejamento detalhado para que as empresas consigam ter resultados melhores na execução de projetos, destacando que a atuação do Centro de Excelência tem sido focada na busca de soluções para ajudar o Brasil a avançar nesse processo."O CII tem uma história de 30 anos e o que temos feito é pegar o conhecimento e a experiência deles para trazer para cá, fazer alguns ajustes para a nossa realidade, e implantar nas empresas brasileiras, para depois medir se as práticas estão gerando ganhos", disse.O diretor executivo da consultoria Tripoint, Cláudio Makarovsky, que faz a moderação das apresentações e deixou recentemente a presidência do conselho de petróleo e gás da Abimaq, ressaltou a importância da busca por novas métricas e metodologias a serem implementadas no país, com o intuito de melhorar o cenário nacional."Foi feito um estudo indicando que o trabalhador brasileiro gerou, nos últimos 12 meses, US$ 4 por hora trabalhada, contra US$ 25 gerados por cada trabalhador americano", afirmou.De acordo com o estudo mencionado por Makarovsky, a produtividade brasileira nas obras precisar crescer mais de cinco vezes para atingir os mesmos índices americanos.Comparando percentualmente, o ganho gerado por um trabalhador brasileiro representa apenas 16% do que um trabalhador americano gera no mesmo período de tempo.O evento contou com apresentações sobre soluções utilizadas ao redor do mundo para elevar o índice de produtividade em projetos do segmento. A presidente do Centro de Excelência em EPC (CE-EPC), Renata Baruzzi, que fez a abertura do evento, ressaltou a importância de um planejamento detalhado para que as empresas consigam ter resultados melhores na execução de projetos, destacando que a atuação do Centro de Excelência tem sido focada na busca de soluções para ajudar o Brasil a avançar nesse processo. "O CII tem uma história de 30 anos e o que temos feito é pegar o conhecimento e a experiência deles para trazer para cá, fazer alguns ajustes para a nossa realidade, e implantar nas empresas brasileiras, para depois medir se as práticas estão gerando ganhos", disse. O diretor executivo da consultoria Tripoint, Cláudio Makarovsky, que faz a moderação das apresentações e deixou recentemente a presidência do conselho de petróleo e gás da Abimaq, ressaltou a importância da busca por novas métricas e metodologias a serem implementadas no país, com o intuito de melhorar o cenário nacional. "Foi feito um estudo indicando que o trabalhador brasileiro gerou, nos últimos 12 meses, US$ 4 por hora trabalhada, contra US$ 25 gerados por cada trabalhador americano", afirmou. De acordo com o estudo mencionado por Makarovsky, a produtividade brasileira nas obras precisar crescer mais de cinco vezes para atingir os mesmos índices americanos. Comparando percentualmente, o ganho gerado por um trabalhador brasileiro representa apenas 16% do que um trabalhador americano gera no mesmo período de tempo. O evento contou com apresentações sobre soluções utilizadas ao redor do mundo para elevar o índice de produtividade em projetos do segmento. Fonte: http://www.tnpetroleo.com.br/noticia/produtividade-brasileira-precisa-crecer-cinco-vezes-para-alcancar-a-americana/

A produção de petróleo em Sergipe permaneceu na faixa de 1,3 milhão de barris em julho e foi praticamente igual a junho. Se comparado com o sétimo mês do ano passado, a produção teve alta de 14,5%. O dado foi divulgado nesta segunda-feira (8) pelo Boletim Sergipe Econômico com base nos dados da Agência Nacional do Petróleo (ANP). De janeiro a julho deste ano o estado produziu 9 milhões de barris de petróleo. Desses, 67,2% foram retirados em terra e 32,8% do mar. Já a produção de gás natural somou 588.844 barris equivalentes de petróleo (bep) em julho. No comparativo anual, a produção cresceu 16,6% e chega a ser a 6ª alta. Em relação a julho deste ano, houve um aumento de 3,7%.O total de gás natural produzido este ano superou 3,8 milhões de barris, com alta de 3,1% comparado ao mesmo período de 2013. Os campos marítimos foram responsáveis por 91,2%, e em terra respondeu por 8,8% do total. O Núcleo de Informações Econômicas da Federação das Indústrias do Estado de Sergipe (FIES) e do Departamento de Economia da UFS também ajudaram na análise dos dados. Fonte: http://g1.globo.com/se/sergipe/noticia/2014/09/cresce-producao-de-petroleo-e-gas-natural-em-julho-em-sergipe.html

O principal alento para a balança comercial brasileira este ano vem do comércio de petróleo, vilão do comércio exterior nos últimos anos. O preço do barril vem cedendo, ancorado na maior oferta e na retração da demanda global. A tendência é de uma melhora no déficit comercial da chamada conta-petróleo. Na última semana, a cotação do petróleo do tipo Brent, referência internacional de preços, caiu abaixo dos R$ 220 (US$ 100) pela primeira vez em 16 meses. Até aqui nem os conflitos próximos a regiões produtoras como Iraque, Ucrânia e Líbia ajudaram a cotação do barril a reagir. Para o Brasil, o ciclo de baixa é positivo porque historicamente o País têm registrado déficit na balança do produto e seus derivados, com o valor das importações ultrapassando o das exportações e pressionando o balanço da Petrobras. A estatal vem sofrendo com a defasagem de preços dos derivados no mercado doméstico ante o preço de importação. Além do arrefecimento do preço, o País está exportando mais petróleo. A Petrobras estima uma alta de 7,5% de sua produção de óleo bruto e gás neste ano. Até agosto o déficit acumulado na balança do petróleo e combustíveis foi de R$ 26,5 bilhões (US$ 12,9 bilhões), 30,8% menor que o de igual período de 2013. O presidente da AEB (Associação de Comércio Exterior do Brasil), José Augusto de Castro, calcula que a conta do petróleo feche em um vermelho mais suave: R$ 32 bilhões (US$ 15,8 bilhões), ante cerca de R$ 50 bilhões (US$ 23,7 bilhões) no ano passado. — Este ano o superávit será ajudado pela queda no valor da importação e o aumento da quantidade de petróleo produzida e exportada, um efeito que não vai se repetir em 2015.Em julho, a AEB reduziu sua previsão para o saldo comercial total brasileiro no ano em 75,2%, para apenasUS$ 635 milhões. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo. Fonte: http://noticias.r7.com/economia/petroleo-mais-barato-favorece-contas-do-brasil-14092014

Com o início da mistura B6 (6% de biodiesel) no diesel, a produção brasileira deste biocombustível atingiu, em julho, o maior volume mensal neste ano, com 302 mil m³, quantidade 26% maior do que a produzida em junho (238 mil m³). No acumulado do ano, a produção do combustível atingiu 1.793 mil m³, que representa um crescimento de 8% em comparação ao mesmo período em 2013, quando foram produzidos no País 1.660 mil m³. Os dados constam no Boletim Mensal de Combustíveis Renováveis nº 79, divulgado mensamente pelo Departamento de Combustíveis Renováveis do Ministério de Minas e Energia (MME). A capacidade instalada de produção de biodiesel se manteve praticamente estável em julho, com 7.538 mil m³/ano. Dessa capacidade, 91% dos produtores são empresas detentoras do selo Combustível Social, criado para estimular a inclusão social na agricultura dentro da cadeia produtiva do biodiesel. Quanto ao etanol, o boletim aponta que a produção do combustível no mês de julho (safra 2014/2015) foi de 3,4 bilhões de litros. Foram consumidos no mês 1,91 bilhão de litros de etanol, em patamar similar ao de junho deste ano. Figura entre os destaques do mês para o setor de biocombustíveis a ratificação, pelo Senado, da elevação da mistura obrigatória de biodiesel ao óleo diesel definida pelo Poder Executivo (de 6% desde 1º de julho passado e 7% a partir de 1º de novembro de 2014), e ainda o aumento para 27,5% do limite máximo de adição de etanol anidro na gasolina. Essa última medida está sujeita a testes que comprovem a viabilidade técnica. O boletim tem como objetivo compilar informações relevantes sobre etanol e biodiesel e disponibilizá-las de modo transparente e sistemático para a sociedade. Fonte: http://www.tnpetroleo.com.br/noticia/producao-de-biodiesel-cresce-em-julho/

Motivada pelo desafio contínuo de manter o equilíbrio com o meio ambiente em todo o ciclo de vida de seus produtos, a Honda implementou, neste mês de setembro, o uso de gás natural no processo produtivo de motocicletas da fábrica de Manaus (AM). A iniciativa, que contou com investimentos na ordem de R$ 2,5 milhões, permitirá que a empresa deixe de emitir mais de 1500 toneladas de CO2 por ano. Para viabilizar o recurso, a Honda instalou uma estação de medição e redução de pressão com capacidade para fornecer, por hora, 4.000m³ de gás natural proveniente do gasoduto local de Urucú. Trata-se de um combustível limpo, que emite quase a metade de CO2 gerado pelo carvão e petróleo. A medida foi adotada, em substituição ao GLP (Gás Liquefeito de Petróleo), nas etapas de geração de vapor, derretimento do alumínio e secagem da pintura das motocicletas produzidas na capital manauara. Compromisso ambientalO investimento constante em ações que reduzam os impactos ambientais das suas atividades e produtos é premissa da Honda. Nesse sentido, a empresa tem como meta global a redução de 30% das emissões de CO2 geradas em suas atividades até 2020. No Brasil, em 2009, a Moto Honda foi pioneira ao lançar a primeira motocicleta flex do mundo. Hoje, já são seis os modelos flex produzidos no País: CG 150 Titan Mix, NXR 150 Bros, CG 150 Fan, Biz 125, CB 300R e XRE 300, que representam juntos mais de 60% das vendas da marca. Somando-se às operações de motocicletas, produtos de força e automóveis, o que inclui a construção do primeiro parque eólico da empresa no mundo, a Honda investiu, de 2011 a julho de 2014, aproximadamente R$ 120 milhões em gestão ambiental no Brasil. Fonte: http://www.tnpetroleo.com.br/noticia/moto-honda-inicia-operacoes-com-gas-natural/

Atualmente com mais de 90 estagiários, a Shell mantém abertas as inscrições para estudantes do Rio de Janeiro e São Paulo para o seu Programa de Estágio. Interessados devem estar cursando Administração, Comunicação Social, Direito, Economia, Engenharia de Produção, Marketing e Publicidade. As inscrições devem ser feitas no site www.shell.com.br/rh/. Os candidatos devem se formar entre julho e dezembro de 2016 e ter nível avançado de inglês. O início das atividades está previsto para o fim de 2014 e início de 2015, com duração de um ano e meio a dois anos. O Programa Estágio de Verão é voltado para estudantes de fora do Rio que desejam aproveitar o período de férias da universidade para conhecer a rotina de uma grande empresa. As atividades são desenvolvidas na sede da companhia, na capital fluminense, e têm duração de seis semanas, com início em janeiro de 2015. A Shell financia as passagens aéreas dos estagiários e oferece ajuda de custo para moradia, alimentação e translado. Os candidatos devem ter previsão de formatura para dezembro de 2015 e estar cursando Administração, Comunicação Social, Marketing e afins e Psicologia. Fonte: http://www.tnpetroleo.com.br/noticia/shell-mantem-abertas-inscricoes-para-processos-seletivos/

TOP

A wonderful serenity has taken possession of my entire soul, like these sweet mornings of spring which I enjoy with my whole heart. I am alone, and feel the charm of existence in this spot, which was created for the bliss of souls like mine.

I am so happy, my dear friend, so absorbed in the exquisite sense of mere tranquil existence, that I neglect my talents. I should be incapable of drawing a single stroke at the present moment; and yet I feel that I never was a greater artist than now.

When, while the lovely valley teems with vapour around me, and the meridian sun strikes the upper surface of the impenetrable foliage of my trees, and but a few stray gleams steal into the inner sanctuary, I throw myself down among the tall grass by the trickling stream; and, as I lie close to the earth, a thousand unknown plants are noticed by me: when I hear the buzz of the little world among the stalks, and grow familiar with the countless indescribable forms of the insects and flies, then I feel the presence of the Almighty, who formed us in his own image.

Duis dictum tristique lacus, id placerat dolor lobortis sed. In nulla lorem, accumsan sed mollis eu, dapibus non sapien. Curabitur eu adipiscing ipsum. Mauris ut dui turpis, vel iaculis est. Morbi molestie fermentum sem quis ultricies. Mauris ac lacinia sapien. Fusce ut enim libero, vitae venenatis arcu. Cras viverra, libero a fringilla gravida, dolor enim cursus turpis, id sodales sem justo sit amet lectus. Fusce ut arcu eu metus lacinia commodo. Proin cursus ornare turpis, et faucibus ipsum egestas ut. Maecenas aliquam suscipit ante non consectetur. Etiam quis metus a dolor vehicula scelerisque.

Nam elementum consequat bibendum. Suspendisse id semper odio. Sed nec leo vel ligula cursus aliquet a nec nulla. Sed eu nulla quam. Etiam quis est ut sapien volutpat vulputate. Cras in purus quis sapien aliquam viverra et volutpat ligula. Vestibulum condimentum ultricies pharetra. Etiam dapibus cursus ligula quis iaculis. Mauris pellentesque dui quis mi fermentum elementum sodales libero consequat. Duis eu elit et dui varius bibendum. Sed interdum nisl in ante sollicitudin id facilisis tortor ullamcorper. Etiam scelerisque leo vel elit venenatis nec condimentum ipsum molestie. In hac habitasse platea dictumst. Sed quis nulla et nibh aliquam cursus vitae quis enim. Maecenas eget risus turpis.